A louca da tapioca

Tudo que mais quero quando estou de férias é dormir.
Dormir muito, sem hora para acordar.
Até meio-dia ou mais, se possível.
E depois tomar o extraordinário café da manhã na pousada.
-Que começa que horas?
-Sete da manhã.
-E vai até?
-Nove e meia.
-Queeeeeeee?
-Ué, mas não é na Bahia que todo mundo acorda tarde?
Que palhaçada que é essa?
Comigo não.
totalmente decidido.
Não vou tomar esse café.
Não preciso de tapioca de todos os sabores que existem no mundo.
Preciso descansar.
Mas táqueopariu, todos os sabores mesmo?
Era o que dizia a placa na entrada.
Lembro que em São Paulo é só pão com margarina e café preto (e quando dá).
Minha paranoia começa a me chantagear.
-Deve ter até tapioca de Nutella.
-Isso não existe nem em São Paulo.
-Desce lá para ver, então.
Viro para o lado, e tento me concentrar no sono.
Dorme. Dorme. Dorme.
-Deve ter cuscuz (com leite de coco para regar), cará (cozido no vapor de água do mar), banana da terra (com cacau e canela).
Nunca é só uma coisa na Bahia.
-Suco de graviola (com castanha pisada na floresta), umbu (com mel de abelha virgem), cajá (com gengibre colhido na hora).
Não vou entregar os pontos.
Sou forte.
Dorme. Dorme. Dorme.
Cochilo.
Sonho que estou experimentando tapioca de Nutella regada com leite de coco trazido da Índia pelos portugueses no descobrimento.
Não sei se consigo dormir mais.
Poderia acordar rapidinho, comer, e voltar para cama.
Mas a minha pousada fica bem no alto de uma colina, se acordar, acordou.
É comer ou dormir, os dois não dá.
Talvez sentir o ar fresco da manhã me faça bem.
(Foda-se o ar da manhã eu quero é tapioca)
Lembro da minha vida miserável em São Paulo.
(Pão com margarina e café preto, quando dá).
Visto a minha roupa, e saio em disparada.
Aposto que nem tem essa tapioca maldita.
Mas vou descer, nem que seja para reclamar.
-Ah, não tem? Pois deveriam fazer, já que na placa dizia todos os sabores do mundo.
Já chego louca:
-Cadê a tapioca de Nutella regada com leite de coco trazido da Índia pelos portugueses no descobrimento? Me dá três agora.
E tinha mesmo.
-Amanhã teremos mais sabores especiais, ainda diz a baiana fofa.
Táqueopariu.
-Que sabores tem amanhã?
Pergunto tentando parecer normal.
Quem foi que inventou que os baianos acordam tarde?
E foi assim que saí de São Paulo para levantar cedo todo dia.
Na Bahia.